Notícias

Declaração do Diretor Executivo do UNFPA, no dia 12 de Agosto, Dia Internacional da Juventude em 2016

Data: 19/08/2016

Os Jovens e o Caminho para 2030

12 de agosto de 2016

Declaração do Diretor Executivo do UNFPA, Dr. Babatunde Osotimehin, para o Dia Internacional da Juventude.

O UNFPA, Fundo das Nações Unidas para a População, celebra o Dia International da Juventude reafirmando e reconhecendo o papel central dos jovens na promoção do bem-estar das suas famílias, comunidades e nações. O tema deste ano, “O caminho para 2030: Erradicar a pobreza e atingir a produção e consumo responsável”, não poderia ser mais relevante e oportuno.

Mais de 500 milhões de jovens em todo o mundo vivem na pobreza, e muitas vezes não conseguem sustentar as suas necessidades básicas. Têm falta de acesso a recursos vitais e estão desproporcionalmente representados entre os mais pobres do mundo. Eles têm mais a ganhar se formos bem sucedidos a erradicar a pobreza, e terão mais a perder se falharmos. A boa notícia é que os jovens não são o problema, como muitas vezes é considerado, mas, na verdade, eles são a solução.

No último ano, as Nações Unidas adotaram a agenda para o Desenvolvimento Sustentável 2030, que nos obriga a balançar as necessidades das gerações presentes e futuras, criar crescimento económico sem destruir os recursos naturais e reduzir o consumo enquanto se assegura o bem-estar e a dignidade.

Para atingir esses objetivos, é necessária uma mudança fundamental. Temos que tomar decisões relativamente à dotação dos recursos mantendo os interesses das gerações futuras em mente. Temos de fazer investimentos no setor social que melhorem a resiliência de indivíduos e comunidades. E temos de colocar o cumprimento dos direitos humanos no centro do desenvolvimento.

Globalmente, grandes populações de jovens representam uma oportunidade histórica, para introduzir progresso e adotar soluções inovadoras para despoletar esta mudança. Para tal, é essencial a realização dos direitos dos jovens de participar na vida política, económica e social das suas comunidades e países, e fazerem livremente escolhas informadas sobre o seu corpo, sexualidade e reprodução sem descriminação, violência ou coesão.

Empoderar os jovens significa dar-lhes ferramentas para que possam tornar-se atores ainda mais influentes e produtivos nas suas sociedades.  Para atingir isso, os países necessitam de pôr fim a  todas as formas de descriminação que os jovens enfrentam, particularmente as raparigas adolescentes, tais como casamento infantil e forçado, que pode resultar em gravidezes indesejadas, abortos inseguros e infeções VIH, e risco de comprometer o seu futuro.

O centro destes esforços, deve ser a promoção do acesso à educação, serviços de saúde, incluindo saúde sexual e reprodutiva e planeamento familiar. Estas intervenções combinadas são críticas para quebrar o ciclo intergeracional da pobreza, fortalecer a resiliência das populações para enfrentar todos os desafios e aproveitar as oportunidades da nova economia.

Os jovens estão já a liderar inovações na ciência e tecnologia, fazendo escolhas conscientes que estão a infulenciar drasticamente os padrões de consumo e de produção,  e a mobilizar-se tornar empresas, organizações e governos mais responsáveis social e ambientalmente. Quando podem ter informação, tecnologia, financiamento,  orientação e plataformas de colaboração, os jovens inovadores são capazes de tornar as suas ideias em soluções transformadoras.

O UNFPA  orgulha-se de fazer parcerias com jovens em mais de 150 países e territórios ao redor do mundo para promover a sua participação e liderança,  permitindo-lhes superar as barreiras, liderar inovações e libertar todo o seu potencial.

O UNFPA apela aos governos, parceiros de desenvolvimento e outros influenciadores a instaurar políticas que promovam o desenvolvimento dos jovens e dos direitos humanos, e a medir o progresso através dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que se relacionam com adolescentes e jovens. Os jovens devem ser envolvidos como parceiros na realização destes objetivos, pois eles são a geração que irá herdar o nosso planeta.

Uma rapariga adolescente que tem hoje 10 anos vai ser uma adulta de 24 anos em 2030, a meta para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Temos de garantir que o seu caminho ao longo da adolescência e juventude leva a um futuro melhor para si mesma, para a sua comunidade e para o mundo,  sedimentado com direitos reconhecidos, oportunidades realizadas e promessas cumpridas.