Notícias

Declaração do Diretor Executivo do UNFPA, Dr. Babatunde Osotimehin, por ocasião do 8 de Março, Dia Internacional da Mulher em 2016

Data: 19/08/2016

Declaração do Diretor Executivo do UNFPA,

Dr. Babatunde Osotimehin, por ocasião do Dia                                                             Internacional da Mulher

“Intensificar o movimento em direção à igualdade de gênero.”

8 de Março de 2016.

Para milhões de mulheres e raparigas em todo o mundo, a igualdadede género e o pleno gozo dos direitos humanos permanecem desconhecidos.

Por exemplo, quase 14 milhões de crianças são cada ano, forçadas à casara; isto significa que são negados à cerca de 37.000 meninas, o exercício diário dos seus direitos fundamentais! Todos os dias, 7,3 milhões de bebês nascem de mães com idades entre 17 anos ou menos em países em desenvolvimento. Uma em cada três mulheres é vítima de violência baseada no género, e 200 milhões de mulheres e meninas foram hoje submetidas à Mutilação Genital Feminina.

Hoje, no Dia Internacional da Mulher, exorto a todos os países a tomar medidas para proteger os direitos das mulheres e meninas e para remediar a desigualdade de género que ainda persiste.

A igualdade de género e a protecção dos direitos fundamentais, incluindo o direito à saúde sexual e reprodutiva,  são importantes em si mesmos. Mas eles também constituem um meio para atingir os objectivos sociais e económicos acordados a nível internacional, incluindo nos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável adotados pela comunidade internacional em setembro de 2015. Esses objetivos permitem atingir as metas para a realização de igualdade de género, boa saúde e educação de qualidade para todos e a eliminação da pobreza.

Por mais de quatro décadas, o UNFPA ajudado a melhorar a saúde da saúde de mulheres e promoção dos seus direitos. O Fundo continuará a promover o programa de saúde e os direitos até 2030, meta para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, e e para além dessa data, até que todas as mulheres e todas as meninas em todos os lugares estejam em mesmo pé de  igualdade com os homens e tenham o poder e os meios para exercer os seus direitos humanos fundamentais.